Acordo com a União Europeia pode facilitar exportação do Mel do Oeste do Paraná

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

De janeiro a julho, o estado exportou 3,8 mil toneladas de mel e desde 2012 tem se revezado com o Rio Grande do Sul no topo da lista de maiores produtores do país.

O acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeiaque prevê a proteção e a compra exclusivamente de 36 produtos brasileiros com indicação de procedência ou denominação de origem deve acelerar o processo de liberação para a exportação do mel produzido no oeste do Paraná.

A expectativa é da Coofamel, cooperativa fundada em 2006 e que atualmente conta com 279 associados em mais de 50 municípios do oeste e sudoeste do estado localizados na bacia hidrográfica do Rio Paraná 3.

“O acordo entre o Mercosul e a União Europeia vem para tornar os caminhos da comercialização com outros países mais fáceis. O intuito do governo é diminuir a burocracia para que pequenas e médias agroindústrias possam comercializar seus produtos fora do país também”, observa a veterinária da cooperativa, Fernanda Boschetti.

A Coofamel tem a indicação de procedência para o mel da Apis mellifera, popularmente conhecida como a abelha africana com ferrão, e da Tetragonisca angustula, que produz o chamado mel de abelha jataí, desde setembro de 2017. O selo atesta onde o produto foi produzido e as características próprias.

“Com a conquista da indicação geográfica foi possível proteger a marca ‘Oeste do Paraná’. Esse reconhecimento e a valorização da região agregaram valor ao mel produzido aqui”, aponta.

As mais de 200 toneladas de mel in natura e de derivados como o própolis, a cera e o pólen são vendidas em todo o país e garantem um faturamento anual de cerca de R$ 2,5 milhões à cooperativa.

Um dos atrativos para a exportação é a demanda. De acordo com o Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, de janeiro a julho o Paraná exportou 3,8 mil toneladas de mel e desde 2012 têm se revezado com o Rio Grande do Sul no topo da lista de maiores produtores de mel do país.

Apesar da boa procura pelo mel brasileiro, para o presidente da Coofamel, Wagner Graziero, nos últimos dois anos o mercado interno tem se mostrado mais vantajoso por causa da forte concorrência dos produtos chineses, uruguaios e argentinos, que ganharam espaço principalmente nos Estados Unidos e no Canadá.

Ele estima que os investimentos que vêm sendo feitos para a adequação dos associados às vendas no mercado externo não devem dar retorno imediato, mas em três a quatro anos.

Um dos atrativos para a exportação é a demanda. De acordo com o Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, de janeiro a julho o Paraná exportou 3,8 mil toneladas de mel e desde 2012 têm se revezado com o Rio Grande do Sul no topo da lista de maiores produtores de mel do país.

Apesar da boa procura pelo mel brasileiro, para o presidente da Coofamel, Wagner Graziero, nos últimos dois anos o mercado interno tem se mostrado mais vantajoso por causa da forte concorrência dos produtos chineses, uruguaios e argentinos, que ganharam espaço principalmente nos Estados Unidos e no Canadá.

Ele estima que os investimentos que vêm sendo feitos para a adequação dos associados às vendas no mercado externo não devem dar retorno imediato, mas em três a quatro anos.

“De qualquer forma, tudo isso é importante para nós, dá uma visibilidade muito boa para a região e uma perspectiva muito melhor de mercado para a cooperativa dentro e fora do país”, destaca.

FONTE: G1

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil