fbpx

Acordos com China têm impacto direto sobre balança comercial de MS

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Os acordos de livre comércio que poderão ser implementados com a China irão impulsionar ainda mais os números de exportação e importação do Mato Grosso do Sul. O país asiático comprou neste ano até outubro do Estado o equivalente US$ 1,8 bilhão em produtos respondendo por 41,5% do total de vendas externas. O maior foco dos chineses está na celulose, que totalizou US$ 994,4 milhões de janeiro a outubro e a soja em segundo lugar, com US$ 746 milhões em vendas no mesmo período. Já o mercado de carnes vêm em terceiro lugar com US$ 49,6 milhões.

A China é o maior parceiro comercial do Estado atualmente, assim como do Brasil. Em 2018, o fluxo de comércio entre Brasil e China alcançou a marca de US$ 98,9 bilhões.

Entre os atos assinados esta semana estão protocolos sanitários para exportação de pera da China ao Brasil e de melão do Brasil para a China.

Também foi firmado um plano de ação na área de agricultura, de 2019 a 2023, nas áreas de políticas agrícolas; inovação científica e tecnológica; investimento agrícola; comércio agrícola; entre outras.

No setor de transporte, foi assinado memorando de entendimento para o compartilhamento de boas práticas, políticas públicas e estratégias para o seu desenvolvimento. Prioritário para o Brasil, o governo entende que pode se beneficiar da experiência dos chineses, considerando que a China é uma das líderes mundiais no setor.

Investimentos

O país asiático também é um dos principais investidores em áreas cruciais no Brasil, como infraestrutura e energia. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, os chineses já mantém uma planta esmagadora de milho, parcialmente finalizada em Maracaju. O projeto do grupo BBCA teve início em 2013 com investimentos de R$ 1,2 bilhão e finalmente deve operar a partir do próximo ano.

A partir de dezembro, a indústria, que produzirá amido de milho, entrará em operação. Está primeira unidade consumiu US$ 100 milhões de dólares em investimentos.

Na cidade o grupo já começou a compra de milho que são armazenados em dois silos, de 60 mil toneladas cada um.Outro setor que está na mira dos chineses é a logística. O país é um dos fortes candidatos a entrar em investimentos em futuras Parcerias Público Privadas para reativação e construção de ferrovias no País para melhorar o escoamento dos produtos.

Os portos também geram interesse, inclusive no Estado. Mas este já é um próximo capítulo da história.

FONTE: Celulose online

consulte sua habilitação Radar / Siscomex

copie o link abaixo, abra uma nova aba do navegador e cole na barra de endereço

Contate-nos

Telefone

+55 13 3321-9321 | +55 65 4141-4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo