fbpx

Arábia Saudita flexibiliza regras para importação de carne bovina do Brasil

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Autoridade sanitária do país revogou norma que restringia a autorização para produto de animais abatidos com até 30 meses

A Arábia Saudita alterou no início deste mês as regras para a importação de carne bovina do Brasil, passando a permitir a compra de produtos oriundos de animais abatidos com mais de 30 meses de idade. A restrição, que agora deixa de vigorar, é a mesma adotada pela China, principal destino das exportações brasileiras, e é adotada como medida de segurança sanitária para casos de mal da vaca louca – doença comum em animais mais velhos.

Carne bovina (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Restrição de idade de abate de animais também é adotada pela China  (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

A flexibilização ocorre cerca de um mês após o país sinalizar o aumento das exigências para a importação de carne de frango e suspender, sem justificativa oficial, a autorização de exportação de onze unidades de abate do Brasil. A nova regra foi pulicada em um modelo atualizado de Certificado Sanitário Internacional (CSI) para as exportações de carne e produtos cárneos de bovinos e ovinos do Brasil para o país árabe.

No caso da carne de ovinos, o documento incluiu o Brasil na lista de fornecedores autorizados a enviar o produto para a Arábia Saudita. Segundo dados da FAO, a Arábia Saudita importou 23,8 mil toneladas de carne de cabra e de carneiro em 2019. No caso da carne bovina, a Arábia Saudita é o 10º maior importador mundial, tendo adquirido 55,7 mil toneladas equivalentes em carcaças do Brasil em 2019. O volume corresponde a 41,26% do total importado pelo país naquele ano.

Procurada, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) não retornou até a publicação desta reportagem.

FONTE: Globo Rural

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil