fbpx

Ásia foi destino de quase metade das exportações brasileiras no 1º semestre

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Volume de produtos vendidos ao continente cresceu 36,3% em relação ao mesmo período do ano passado, para US$ 67 bilhões.

Os países asiáticos se consolidaram como o destino mais relevante para os produtos brasileiros. A Ásia absorveu quase metade (49%) das exportações do Brasil no 1º semestre de 2021. Renderam US$ 67 bilhões.

Com 50 países, a região abriga 60% da população mundial e é responsável por 36% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial. O continente é o mais dinâmico economicamente e sua importância como destino de exportações cresce para todo o mundo. Em 2020, a Ásia representou 68% das compras globais.

As exportações do Brasil à região foram 36% superiores ao registrado no 1º semestre de 2020. O saldo subiu para US$ 31 bilhões. Ao todo, US$ 8 de cada US$ 10 do superavit da balança comercial no Brasil são do comércio com a Ásia. Para a Secretaria de Comércio Exterior, o aumento da importância da região para a economia brasileira está em linha com o que acontece no mundo.

FOCO CHINÊS

A China foi o principal destino de produtos brasileiros (34%). As vendas até junho somaram R$ 47 bilhões, mais que o triplo do que o Brasil vende para os EUA.

COMMODITIES IMPULSIONAM

A China é a maior compradora de 7 dos 10 principais produtos exportados pelo Brasil:

soja;

minério de ferro;

petróleo bruto;

açúcar; carne bovina;

celulose;

carne de aves.

TAILÂNDIA, INDONÉSIA E SINGAPURA

Os países lideram as compras de farelo de soja e óleos combustíveis de petróleo brasileiros. Considerando os 10 principais produtos exportados pelo Brasil, a Ásia só não é a maior compradora de ferro e aço, exportados principalmente para os Estados Unidos.

COMÉRCIO EXTERIOR

A balança comercial teve superavit de US$ 37,5 bilhões nos 6 primeiros meses do ano. A corrente de comércio (importações + exportações) atingiu US$ 236 bilhões, recorde para o período, e deve alcançar US$ 500 bilhões até o fim do ano –que, se confirmado, também será recorde.

“O que se pode notar é que o desempenho do 1º semestre fornece um retrato aproximado do que se deve esperar para o ano”, informou a Secretaria de Comércio Exterior, em nota.

O governo quer alavancar esse patamar. Há negociações comerciais em andamento com Coreia do Sul e Singapura, além da intenção de fazer acordos com Indonésia e Vietnã. A Secretaria de Comércio Exterior estima que um acordo comercial com essas economias traria um ganho de R$ 500 bilhões para o PIB brasileiro até 2040.

FONTE: Poder 360

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil