Autoridades chinesas pedem a governos locais que se preparem para colapso da Evergrande

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Banco do Povo da China injeta US$ 17 bilhões no sistema financeiro local para acalmar temor dos investidores

As autoridades chinesas estão pedindo aos governos locais que se preparem para um possível colapso do grupo Evergrande. A informação foi divulgada pelo Wall Street Journal na quinta-feira (21), citando autoridades familiarizadas com as discussões.

O aviso sobre o risco de falência foi interpretado como “preparação para a possível tempestade”. ​A avaliação de especialistas é que Pequim não estaria inclinada a salvar a Evergrande, já que iria contra seu objetivo de buscar uma maior responsabilidade financeira por parte dos agentes no setor imobiliário.

Os governos locais teriam, então, a tarefa de prevenir distúrbios e mitigar o efeito cascata sobre os compradores de casas e a economia em geral, disseram as autoridades.

Ainda assim, a reportagem também aponta que o governo chinês deve oferecer algum tipo de apoio para o trabalho de reestruturação dos débitos do conglomerado.

A Evergrande, segunda maior incorporadora imobiliária da China, tem buscado alternativas para pagar juros de títulos em dólar. Parte deles vencia nesta quinta, outros na próxima semana. Todos entrarão em default se a Evergrande não liquidar os juros dentro de 30 dias a partir das datas de pagamento programadas.

Os investidores temem que uma queda da Evergrande possa se espalhar para os credores, incluindo bancos na China e no exterior.

Segundo a Bloomberg, em meio às pressões para conter o risco de contágio aos mercados de uma eventual quebra da gigante imobiliária Evergrande, o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) injetou US$ 17 bilhões (R$ 89,9 bilhões) no sistema financeiro local, o maior volume aportado desde o fim de janeiro.

A reportagem diz que, antes da injeção desta quinta, a autoridade monetária já havia ofertado liquidez aos mercados por três sessões consecutivas nos dias anteriores, o que, na visão dos investidores, representa uma sinalização de que o governo local tem trabalhado para acalmar os ânimos na região.

A Bloomberg diz ainda que a expectativa no mercado é a de que o governo chinês também anuncie medidas de relaxamento na liquidez exigida dos bancos por questões regulatórias.

No cenário de informações desencontradas, ações de incorporadas negociadas na Bolsa de Hong Kong chegaram a subir cerca de 18% na sessão, com apostas entre os agentes de que a Evergrande conseguirá evitar uma reestruturação desordenada de sua dívida, após uma de suas subsidiárias negociar o pagamento de juros sobre bonds emitidos em Renminbi, a moeda chinesa.

FONTE: Folha de S. Paulo

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil