fbpx

Balança comercial tem superávit de US$ 3,28 bilhões em agosto, diz Ministério da Economia

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

No acumulado dos oito primeiros meses de 2019, saldo positivo somou US$ 31,75 bilhões. Até aqui, resultado da balança é 13,4% menor que o do mesmo período de 2018.

O Ministério da Economia informou nesta segunda-feira (2) que a balança comercial registrou superávit de US$ 3,28 bilhões em agosto.

Quando as exportações superam as importações, o resultado é de superávit. Quando acontece o contrário, o resultado é de déficit.

De acordo com o governo federal, ao todo, as exportações somaram US$ 18,853 bilhões em agosto, e as importações, US$ 15,569 bilhões.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, o superávit somou US$ 31,759 bilhões, uma queda de 13,4% na comparação com o mesmo período de 2018.

Comparação com agosto de 2018

Na comparação com agosto do ano passado, as exportações tiveram queda de 8,5% na média diária. As importações registraram retração de 13,3%.

No caso das exportações, houve recuo de 25,8% na venda de produtos manufaturados. Já a venda de produtos básicos subiu 2,5% e, a de semimanufaturados, 14,4%.

Nas importações, o governo federal informou que caíram as compras de bens de capital (-35%), combustíveis e lubrificantes (-34%), bens de consumo (-7%) e bens intermediários (-2%).

Essa queda nas importações e nas exportações também foi registrada no acumulado do ano.

Nos oito primeiros meses de 2019, o valor total das exportações caiu 5,7% na comparação com o mesmo período de 2018. No caso das importações, a queda foi de 3,4%.

Queimadas na Amazônia

Questionado sobre possíveis efeitos de boicotes anunciados por empresas diante das queimadas na floresta amazônica, o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, disse ainda ser muito cedo para fazer qualquer análise.

De acordo com Brandão, qualquer eventual barreira não afeta imediatamente o comércio.

Por causa das queimadas e das notícias de desmatamento na floresta amazônica, uma empresa que representa 18 marcas internacionais anunciou na semana passada a suspensão da importação de couro brasileiro e avisou que só pretende retomar as compras se for comprovado que o produto não causa danos ambientais.

Brandão ressaltou, no entanto, que a demanda internacional por alimentos tem crescido.

Com relação ao aumento da demanda por proteína animal, o subsecretário explica ser reflexo principalmente a queda na produção de carne suína pela China. O país enfrenta uma grave crise sanitária por causa da peste suína, que reduziu a produção de carne pelo país em 50%.

“Quanto à exportação de alimentos, o que vemos é uma demanda mundial aquecida. Você tem problema de ofertas de carne no mundo, há estimativa de quedas de até 50% do rebanho suíno chinês”, disse. “Essa queda tem feito a demanda por proteína animal subir”, completou;

Segundo Brandão, no acumulado do ano, a venda de carne bovina subiu 10%, de frango aumentou 9,6% e a suína subiu 27%.

FONTE: G1

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

Contate-nos

3003 5339

13 3321 9321
65 4141 4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo