fbpx

Egito é terceiro maior importador de feijão do Brasil

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

País árabe fez compras no valor de US$ 2,8 milhões em feijão brasileiro de janeiro a julho deste ano. Segundo presidente de instituto do setor, Egito tem bom consumo na área e é reexportador.

O Egito foi o terceiro maior importador do feijão produzido no Brasil nos sete primeiros meses deste ano, segundo dados do Sistema Comex Stat, do Ministério da Economia. O país árabe fez compras de US$ 2,8 milhões de janeiro a julho, com aumento de mais de seis vezes sobre os mesmos meses do ano passado, quando o mercado egípcio importou US$ 442,5 mil em feijão brasileiro.

“O Egito, além de ter um mercado com bom consumo de pulses (leguminosas secas), é um polo com conexão com outros países. O Egito reexporta parte do que importa”, afirmou à ANBA o presidente do Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses e Colheitas Especiais (Ibrafe), Marcelo Lüders. Segundo ele, a tendência é que as exportações de feijão cresçam ainda mais, na medida em que as relações o Brasil e os mercados forem se estreitando, e que o segmento for tendo apoio do setor público.

Como um todo, a exportação brasileira de feijão somou US$ 57,1 milhões nos sete primeiros meses do ano, com avanço 34% sobre o mesmo período de 2018, quando estavam em US$ 42,7 milhões. Lüders afirma que o crescimento é fruto de um plano de ação do setor, que começou a ser colocado em prática em 2017. O Brasil tinha então apenas uma variedade de feijão para exportar, de acordo com ele.

O Ibrafe, em uma parceria com a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), chamou a atenção para esse mercado de proteínas vegetais e começou contatos com instituições da área de pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), levando até elas a informação sobre as variedades que teriam demanda no Brasil e no exterior. “Em 2018 exportamos oito variedades para mais de 70 países”, diz Lüders.

De acordo com o presidente do Ibrafe, o grande crescimento do consumo de proteínas vegetais está colocando o Brasil como um expoente no setor. “Temos aumentado a produção sem aumentar a área plantada, com novas tecnologias”, afirma. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), na safra 2015/2016, o Brasil produziu 2,5 milhões de toneladas de feijão. Na colheita 2018/2019, a produção alcançou três milhões de toneladas, de acordo com o último levantamento.

A meta do setor, parte do Plano Nacional de Pulses, divulgado no ano passado, é fazer com que as exportações fiquem em 500 mil toneladas ao ano em dez anos. “O Ibrafe e o Conselho Brasileiro do Feijão e Pulses (CBFP) trabalham para alcançar esse número em cinco anos”, afirma Lüders. Segundo os dados disponíveis no Comex Stat, o Brasil exportou entre janeiro e julho 86 mil toneladas de feijão.

O país que mais comprou feijão do Brasil nos sete primeiros meses deste ano foi o Vietnã, com US$ 26,9 milhões gastos com importações do produto, seguido pela Índia, com US$ 16,8 milhões. Na lista dos dez maiores mercados, além destes dois e do Egito, aparecem também Paquistão, Taiwan, Indonésia, Tailândia, Turquia, Portugal e Nepal. Os árabes Emirados Árabes Unidos e Argélia estão na lista dos 30 principais compradores.

FONTE: ANBA [Agência de Notícias Brasil-Àrabe]

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil