Exportação de cachaça recupera mercado e espera crescer em 2022

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Com mercado aberto para 70 países, Instituto Brasileiro da Cachaça prevê atingir um patamar histórico de vendas neste ano.

A cachaça brasileira tem se tornado um símbolo do país e as vendas mais recentes são um retrato desse movimento. Os embarques realizados no ano passado recuperaram a perda de mercado de 2020, impactado pela pandemia de Covi-19. Em 2020, a exportação em litros havia caído 23,9% em relação a 2019, totalizando 5,57 milhões de litros exportados. O mercado exportador, que recuperou espaço no ano passado, espera crescer em 2022.

“O setor foi significativamente afetado durante a pandemia, principalmente devido ao fechamento de bares e restaurantes em todo o mundo e, ainda, medidas de proibição de comercialização e/ou consumo de bebidas alcoólicas em vários mercados”, diz Carlos Lima, diretor executivo do Ibrac. “Para 2022, a expectativa é de retomada do comércio. “Acreditamos que a reabertura dos estabelecimentos, juntamente com a maior movimentação do comércio entre os países e a liberação de feiras e eventos presenciais, podem potencializar essa retomada.”

Mas Lima aponta alguns desafios para que isso ocorra e que pesaram nos anos 2020 e 2021, entre eles a escassez de insumos, “principalmente de garrafas, além de um aumento expressivo no frete internacional”. Ele cita, também, a falta de contêineres, um desafio que não é somente do setor de cachaça. “Apesar desses desafios, conseguimos observar números de crescimento muito animadores para o setor em 2022”, afirma.

A crença na reação do mercado está no histórico de campanhas internacionais realizadas pelo Ibrac e parceiros, entre eles a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). As campanhas acontecem há mais de uma década com resultados positivos, como em 2013. Naquele ano, após um longo périplo por entidades e instituições oficiais, os Estados Unidos reconheceu a cachaça como produto de origem exclusiva do Brasil. Até então, a bebida era vendida com a descrição “Brazilian Rum” (rum brasileiro) no rótulo frontal. Para 2022 já estão previstas algumas ações, como o Projeto Setorial de Promoção às Exportações de Cachaça: Taste The New, Taste Brasil, e ações de capacitação de produtores da bebida.

Campanhas do Ibrac e Apex-Brasil têm ajudado a apresentar a cachaça como produto de qualidade

Não por acaso, no ano passado, os EUA importaram um valor total de US$ 3,48 milhões, crescimento de 56% em relação a 2020. Juntamente com Alemanha e Paraguai formam o bloco dos três maiores importadores. Em volume, os norte-americanos compraram 903 mil litros. A Alemanha comprou 1,63 milhão de litros (volume 47,7% maior ante 2020), por US$ 1,88 milhão, e o Paraguai 1,63 milhão de litros por US$ 1,32 milhão. Em seguida estão Portugal e França, com valores respectivos de US$ 937 mil e US$ 785 mil, com 509 mil litros para cada um dos países.

Entre os principais estados exportadores de 2021, em valores, estão São Paulo e Pernambuco, respectivamente com US$ 6,09 milhões e US$ 1,84 milhão. Nas posições seguintes estão Rio de Janeiro (US$ 1,30 milhão), Paraná (US$ 1,23 milhão) e Rio Grande do Sul (US$ 883 mil). Em volume, São Paulo vendeu 3,15 milhões de litros; Pernambuco, 1,95 milhão de litros; Paraná, 1,15 milhão de litros; Rio de Janeiro, 378 mil litros e Minas Gerais, 248 mil litros.

FONTE: Forbes

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil