Importações sobem e exportações podem desacelerar na reta final do ano

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Saldo comercial dos próximos meses deve ser mais modesto que os recordes vistos no meio do ano.

A balança comercial teve superávits recordes em abril, maio e junho. O saldo chegou a US$ 10,5 bilhões no meio do ano, mas depois disso vem desacelerando. Em setembro, foi a US$ 4,3 bilhões. Em outubro, pode chegar a US$ 2 bilhões ou US$ 3 bilhões, segundo as projeções do mercado.

O Ministério da Economia divulgou a balança comercial de outubro nesta 4ª feira (3.nov.2021). O superávit recuou 54,5% em relação ao mesmo mês de 2020, para US$ 2 bilhões.

No acumulado de janeiro a setembro, a balança comercial tem um superávit comercial de US$ 56,4 bilhões. A expectativa do Ministério da Economia é de que o saldo feche o ano em US$ 70,9 bilhões.

IMPACTO DAS COMMODITIES

O governo reduziu de US$ 307,5 bilhões para US$ 281 bilhões a projeção para as exportações em 2021. Motivos: 1) redução dos preços do minério de ferro e 2) efeitos climáticos na produção de milho. Em outubro, o embargo chinês à carne brasileira também deve pesar no saldo de exportações.

Responsável por 16% da pauta de exportações do Brasil, a soja também pode contribuir com a desaceleração das exportações de commodities nesta reta final do ano. É que o produto agora entra em uma fase de baixa sazonalidade: a maior parte da safra é exportada de março a setembro. Nos 9 primeiros meses do ano, no entanto, os embarques de soja subiram 26,9% e somaram US$ 34,3 bilhões de janeiro a setembro.

“Não vamos mais ter superávits de US$ 10 bilhões ao mês neste ano, pois a maior parte dos embarques de soja ocorrem de março a setembro e a soja é o principal produto da pauta, então propicia resultados melhores nesse período”, afirmou o economista e professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Mauro Rochlin.

IMPORTAÇÕES SOBEM

Por outro lado, o Executivo aumentou de US$ 202,2 bilhões para US$ 210,1 bilhões a previsão de importações em 2021. O país está importando mais combustíveis e gás natural para suprir a demanda interna e abastecer as termelétricas.

A recuperação econômica também eleva as importações de outros produtos. A importação de bens de consumo, por exemplo, estava negativa até julho, mas no acumulado de janeiro a setembro registrou uma alta de 3%.

“Com o efeito da sazonalidade da soja, o saldo normalmente cai em outubro, novembro e dezembro. E há uma expectativa de maior importação de petróleo neste mês, porque houve um aumento do consumo interno e os preços estão elevados. Então, haverá uma exportação menor de grãos e uma importação maior de petróleo”, afirmou o estrategista de comércio exterior da Ourinvest e ex-secretário de Comércio Exterior, Welber Barral.

REVISÕES

Com a alta das importações e a desaceleração das exportações, o governo reduziu de US$ 105,3 bilhões para US$ 70,9 bilhões a projeção para o superávit comercial de 2021. Nesta semana, o mercado revisou de US$ 70,5 bilhões para US$ 70,1 bilhões, segundo o Boletim Focus do BC (Banco Central). Ainda assim, o saldo estimado é o maior da série histórica. O recorde atual é o de 2017: US$ 67 bilhões.

FONTE: Poder360

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil