Mato Grosso já vendeu quase 1/3 da safra futura de milho

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Pela média histórica, tal nível de vendas antecipadas de milho só tinha sido registrado ao final de dezembro

A comercialização antecipada da safra de milho 2019/20 de Mato Grosso, que será colhida somente em meados do ano que vem, atingiu 32,38% do total projetado (31,1 milhões de toneladas), ante 26,61% no levantamento divulgado em julho, informou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). As vendas estão adiantadas ante o mesmo período do ano passado para a temporada 2018/19 (14,28%). Pela média histórica, tal nível de vendas antecipadas de milho só tinha sido registrado ao final de dezembro.

Ao longo do último mês, a comercialização do cereal avançou quase seis pontos percentuais, enquanto as vendas antecipadas de soja 2019/20 tiveram aumento de dois pontos, para 25,30% do total projetado (32,8 milhões de toneladas).

Segundo o superintendente do Imea, Daniel Latorraca, os dados mostram a evolução da comercialização até o final de julho, o que significa dizer que ao final de agosto os números estarão maiores, considerando recentes negociações baseadas em dólar mais forte e prêmios vantajosos nos portos. “O milho futuro sem duvidas é um destaque… Soja continuou lenta (a comercialização), a expectativa é que avance muito agora em agosto, com a volta dos prêmios e dólar”, declarou Latorraca.

A comercialização da safra de milho 2018/19 de Mato Grosso atingiu 83,23% do total projetado, ante 77,04% registrados em julho, disse o Imea, em referência à colheita em fase final.

Já as vendas de soja 2018/19 (safra velha) atingiram 87,06% do total projetado, ante 83,99% registrados em julho. Os negócios de algodão, por sua vez, atingiram 43,41% do total projetado para a safra nova, e 79,48% da safra que está sendo colhida.

FONTE: Reuters

últimas notícias no Comércio Exterior

solicitar atendimento

vamos conversar sobre Comércio Exterior ?

services for companies outside Brazil