fbpx

Venda de açúcar aumenta 216% no período entre janeiro e outubro

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Alimento contribui para balança comercial registrar superávit no período

Outubro foi marcado pela queda de 6,2% nas exportações, em relação ao mesmo mês de 2019, com receita de US$ 8,2 bilhões e saldo comercial de US$ 7 bilhões. O volume das vendas alcançou 18,1 milhões de toneladas, 3,2% a menos do que no ano passado, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O açúcar de cana em bruto foi um dos produtos mais exportados no mês (US$ 1,1 bilhão), seguido da soja em grãos (US$ 913,5 bilhões), do milho (US$ 851,8 milhões), da carne bovina in natura (US$ 690,5 milhões) e da celulose (US$ 550,1 milhões). Os cinco produtos representaram 49,7% da pauta exportadora de outubro.

Os principais destinos foram: a China (US$ 2,2 bilhões, 26,5%), a União Europeia (US$ 1,3 bilhão, 15,5%), os Estados Unidos (US$ 715,2 milhões, 8,7%), o Japão (US$ 318,2 milhões, 3,9%) e a Coreia do Sul (US$ 196,8 milhões, 2,4%).

Em comparação com o passado, as principais variações se deram para a soja em grãos (-US$ 912,2 milhões), o açúcar de cana em bruto (+US$ 570,3 milhões) e o milho (-US$ 132,7 milhões),

Em termos percentuais, a maior diferença foi a do açúcar refinado, que, em relação a outubro de 2019, apresentou um aumento de 158,6% nas exportações, sendo Gana (47,4 mil toneladas), Senegal (41,5 mil toneladas) e Gâmbia (32,7 mil toneladas) os principais destinos do produto.

Já o saldo da balança comercial do agronegócio brasileiro nos primeiros dez meses de 2020 registrou superávit de US$ 75,5 bilhões. Esse valor é o maior da história para o período.

As exportações atingiram US$ 85,8 bilhões e 189,4 milhões de toneladas. Em relação a 2019, o crescimento foi de 5,7% em valor e 12,4% em peso.

Os produtos mais vendidos no agregado dos primeiros dez meses do ano foram a soja em grãos (US$ 28 bilhões), a carne bovina in natura (US$ 6,1 bilhões), o açúcar de cana em bruto (US$ 6 bilhões), a celulose (US$ 5 bilhões) e o farelo de soja (US$ 5 bilhões). Os cinco produtos representaram 58,3% da pauta exportadora do agro brasileiro no período.

Os principais destinos foram a China (US$ 30,8 bilhões, 35,8%), a União Europeia (US$ 13,9 bilhões, 16,2%), os Estados Unidos (US$ 5,6 bilhões, 6,5%), o Japão (US$ 2,1 bilhões, 2,4%) e Coreia do Sul (US$ 1,8 bilhão, 2,1%).

As maiores variações nas exportações do agronegócio no período, em comparação com 2019, se deram para a soja em grãos (+US$ 4,9 bilhões), o açúcar de cana em bruto (+US$ 2,3 bilhões) e o milho (-US$ 1,7 bilhão).

Em outubro, os EUA figuraram como terceiro destino dos produtos do agro brasileiro, atrás de China e União Europeia. Chama a atenção o aumento de 23% nas exportações do setor para o país, em relação ao mesmo mês do ano anterior.

A receita auferida com as exportações ao país atingiu US$ 715,2 milhões, e os principais produtos comercializados foram o café verde (US$ 90,9 milhões), a celulose (US$ 78,9 milhões) e o álcool etílico (US$ 63,9 milhões). Houve expressivos aumentos nas vendas de açúcar de cana em bruto (+ 216%) e café verde (+ 30%).

FONTE: Jornal Cana

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

Contate-nos

3003 5339

13 3321 9321
65 4141 4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo