fbpx

Acordo Mercosul-UE vai obrigar produtor brasileiro a mudar nomes de produtos

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Os amantes do prosecco nacional, um tipo de espumante leve e frutado, vão precisar de atenção redobrada para encontrar o produto em lojas especializadas e supermercados. Por causa do acordo entre Mercosul e União Europeia (UE), anunciado em 28 de junho , os produtores nacionais da bebida precisarão mudar os rótulos. Sai prosecco e entra espumante, um termo genérico que também é usado por aqui para o champanhe. O motivo: prosecco é um nome protegido por indicação geográfica (IG), uma espécie de patente registrada por produtores de uma região específica — neste caso, do norte da Itália —, que detêm a exclusividade sobre o uso do termo.

— A mudança de “champanhe” para “espumante” permitiu às vinícolas nacionais construir uma identidade própria. Hoje, temos 80% do mercado interno e até exportamos para mercados como a Europa. Podemos repetir a dose — diz Diego Bertolini, gerente do Instituto Brasileiro do Vinho, entidade de apoio ao setor.

Espaço para a pinga

A identificação geográfica pode aumentar as exportações de produtos tipicamente brasileiros já patenteados, como a cachaça. De acordo com o Ibrac, entidade de apoio aos produtores de cachaça, o acordo abre uma porta de exportação da aguardente ao mercado europeu, o maior do mundo.

— Os europeus importaram US$ 1,2 bilhão em aguardentes de cana em 2018, mas só US$ 7 milhões em cachaças — diz Carlos Lima, presidente do Ibrac, que lembra que países europeus que protegem seus destilados com IGs vendem mais (o Reino Unido fatura US$ 6 bilhões por ano com exportação de uísque).

O acordo comercial deve também afetar outros produtos. Queijos feitos no país são registrados como de regiões da França e Itália. Isso vale para grana padano, gorgonzola, gruyère e parmesão. Também é o caso do presunto de Parma. Neste caso, porém, há uma diferença: a mudança só deve afetar os novos produtores. Quem já tem registro no Ministério da Agricultura pode seguir fabricando os petiscos.

— Nada muda para o queijo muçarela, o mais popular do Brasil, com 30% do mercado. Em casos como o do gorgonzola, os novos produtores devem usar nomes como queijo azul — diz Fabio Scarcelli, presidente da Abiq, Associação Brasileira das Indústrias de Queijos.

Uma das iguarias brasileiras mais protegidas é o café: há nove registros de indicação geográfica a grãos da bebida. O acordo deve estender a patente, hoje restrita ao Brasil, aos países europeus. Segundo Vanúsia Nogueira, diretora da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), a expectativa é agregar valor às vendas destinadas à UE, para onde já vão 49% das exportações de café do Brasil. Hoje, quase 100% das vendas na Europa são do café verde, sem qualquer tipo de identificação de origem.

FONTE: O Globo

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

Contate-nos

3003 5339

13 3321 9321
65 4141 4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo