fbpx

Com avanço da peste suína na Ásia, aumento das exportações pode durar mais um ano

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

De acordo com a ABPA, entre janeiro e junho, a China foi o principal destino das exportações brasileiras, com incremento de 22,6% nas compras

Com o avanço da peste suína africana na Ásia, o mercado mostra uma tendência de aumento das exportações de carnes do Brasil. Em junho, o volume de embarques  de carne suína e de frango tiveram crescimento de 81% e 64%, respectivamente, na comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), entre janeiro e junho, a China foi o principal destino dos embarques brasileiros, com  incremento de 22,6% nas compras contra o mesmo período de 2018.

Leandro Bovo, analista de mercado da Radar Investimentos, avalia que os impactos são positivos no mercado brasileiro e que esse cenário de embarques aquecidos pode continuar por pelo menos mais um ano por conta da peste suína africana. “A expectativa para as exportações são positivas. A situação na China é pior do que é mostrada por algumas entidades que estão acompanhando, e elas afirmam que é mais grave do que o governo chinês diz. Levando isso em consideração, pode-se dizer que esse cenário pode continuar por até um ano”, afirma.

Na última semana, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) indicou aumento que mais de quatro milhões de suínos foram abatidos por conta do surto da doença. Bovo explica que isso pode ajudar a manter as exportações aquecidas.

“Sabemos que a suinocultura da China é muito artesanal, uma criação literalmente ‘fundo de quintal’. Então qualquer dado oficial que leve isso em conta se torna muito difícil de ser levantado, e nós sabemos que a peste suína não tem cura, não tem tratamento e nem vacina, ou seja o suíno infectado irá morrer”, comenta.

Segundo ele, a situação, muito provavelmente, deve ser mais grave do que vem sendo reportado até então. “A China não pode divulgar números muito alarmantes porque isso joga contra o interesse do país, que é comprar proteína relativamente mais barata”, afirma o analista.

FONTE: Canal Rural

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

Contate-nos

3003 5339

13 3321 9321
65 4141 4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo