fbpx

Frango: um quinto da receita cambial da carne provém do mercado chinês

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Exceto pela troca de um país, o quadro dos 25 principais importadores da carne de frango brasileira no primeiro semestre de 2019 permaneceu exatamente o mesmo de um ano atrás

E quem deixou o rol, passando da 15ª para a 26ª posição, foi Cuba. Em seu lugar surge agora o Bahrein, 26º no ano passado, uma posição acima neste ano.

Mas as semelhanças cessam aí. Porque, por exemplo, esses 25 principais importadores – ao contrário do ocorrido no primeiro semestre de 2018, quando registraram redução de 13,5% no volume e de quase 17% na receita cambial – propiciaram nestes primeiros seis meses de 2019 aumento de, praticamente, 12% no volume e de mais de 16% na receita.

No mesmo caminho se encontram os três países do rol integrantes da União Europeia: Holanda, Reino Unido e Alemanha, respectivamente na 7ª, 15ª e 21ª posições: um ano atrás reduziram sensivelmente o volume importado. Neste ano voltam a ser participes do aumento registrado no semestre.

É verdade, aqui, que o outro importador chinês, Hong Kong, reduziu em cerca de 12% o volume importado. Mesmo assim, o saldo do mercado chinês permanece positivo (na soma, incremento de 12% no volume e de 22% na receita), correspondendo no semestre a 20,36% (ou seja, um quinto) da receita cambial obtida pelas exportações brasileiras de carne de frango.

De negativo, entre esses 25 principais importadores, é o declínio das importações mexicanas, quase 50% menores que as do mesmo semestre de 2018. Em decorrência, o México, há um ano ocupante da sétima posição, fechou a primeira metade de 2019 no 18º posto.

FONTE: Agronews

conheça os serviços para sua empresa atuar na importação e exportação

atendimento nacional

conheça nossos serviços
últimas notícias no Comércio Exterior

Contate-nos

3003 5339

13 3321 9321
65 4141 4540

WhatsApp

clique acima

Preencha seus dados abaixo